DO AMBIENTE MANICOMIAL AOS SERVIÇOS SUBSTITUTIVOS: A EVOLUÇÃO NAS PRÁTICAS EM SAÚDE MENTAL

Álissan Karine Lima Martins, Flaviana Dávila de Sousa Soares, Francisca Bezerra de Oliveira, Ângela Maria Alves e Souza

Resumo


Estudo sobre a evolução ocorrida nas práticas em saúde mental no Brasil. Evidencia a importância trazida pelo movimento de Reforma Psiquiátrica frente às melhorias alcançadas, tanto para a clientela quanto para sua família, com os modos de estruturação das práticas e a organização da rede de cuidados nesse campo. As formas de atenção em saúde mental promoveram maior inserção das pessoas em sofrimento mental nos espaços de vida, reconhecendo-as como cidadãs dotadas de privacidade, autonomia e independência, diferente do que se tinha no momento anterior à Reforma. Em suma, faz-se aqui breve apreciação das mudanças, no âmbito teórico e prático, que possibilitaram a construção de um novo fazer em saúde mental, voltado à promoção da saúde e bem-estar da população assistida.

Texto completo:

PDF

Referências


Lappann-Botti NC. Oficinas em Saúde Mental: História e Função (tese). Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2004. 244 p.

Valladares ACA.; et al. Reabilitação Psicossocial através das Oficinas Terapêuticas e/ou Cooperativas Sociais. Revista Eletrônica de Enfermagem 2003; 5(1): 4 –9. Acesso em: 14 de Novembro de 2011.

XXVI Encontro Regional dos Estudantes de Enfermagem. Caderno de Textos. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2005. p. 29-32.

Mostazo RR, Kirschbaum DIR Usuários de um Centro de Atenção Psicossocial: Um Estudo de Suas Representações Sociais acerca de Tratamento Psiquiátrico. Revista Latino-Americana de Enfermagem 2003; 11(6): 786-91. Acesso em: 13 de Agosto de 2011.

Resende H. Política de Saúde Mental no Brasil: uma Visão Histórica. In: TUNDIS, S. A.; COSTA, N.R, organizadores. Cidadania e Loucura: Políticas de Saúde Mental no Brasil. 7. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2001. p. 15-74.

Amarante P. Loucos pela Vida: A Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Coordenado por Paulo Amarante. 2 ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1998. 136 p.

Amarante PDC. Saúde mental e atenção psicossocial. 2. Ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2008.

Amarante PDC. Cultura da formação: reflexões para a inovação no campo da saúde mental. In: Amarante PDC, Cruz LB, organizadores. Saúde Mental, formação e crítica. Rio de Janeiro (RJ): LAPS; 2008. p. 65-80.

Oliveira FB. Construindo Saberes e Práticas em Saúde Mental. João Pessoa: UFPB/ Editora Universitária; 2002. 226 p.

Basaglia F. Saúde/ doença. In: AMARANTE PDC, CRUZ LB , organizadores. Saúde Mental, formação e crítica. Rio de Janeiro: LAPS; 2008. p. 17-36.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em Saúde Mental: 1990-2004. 5 ed. amp. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. 340 p.

Saraceno B. Reabilitação Psicossocial: uma estratégia para a passagem do milênio. In: PITTA A, organizadora. Reabilitação Psicossocial no Brasil. Hucitec: São Paulo; 2001.

Bezerra FB. Reabilitação Psicossocial no contexto da desinstitucionalização: Utopias e Incertezas. In: Jorge MSB, Silva WV, Oliveira FB , organizadores. Saúde Mental: da Prática Psiquiátrica Asilar ao Terceiro Milênio. São Paulo: Lemos Editorial; 2000. p 55-66 .

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. 86 p.

Rotelli F. Formação e construção de novas instituições em saúde mental. In: Amarante PDC, Cruz LB, organizadores. Saúde Mental, formação e crítica. Rio de Janeiro: LAPS; 2008. p. 37-50.

Silveira LC. Equipe de Saúde Mental: Sociopoetizando o Hospital-Dia (dissertação). Fortaleza (CE): Departamento de Enfermagem, Universidade Federal do Ceará; 2001. 127 p.

Pitta AMF. Os Centros de Atenção Psicossocial: espaços de reabilitação? Jornal Brasileiro Psiquiatria 1994; 43(12): 647-54.

Martins AKL, Braga VAB, Souza AMA. Práticas em saúde mental na Estratégia Saúde da Família: um estudo bibliográfico. Rev. RENE Fortaleza 2009; 10(4): 165-72.

Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados – 7, ano V, nº 7. Informativo eletrônico. Brasília: junho de 2010. Acesso em 02. fev. 2012.

Rauter C. Oficinas para quê? uma proposta ético-estético-política para oficinas terapêuticas. In: Amarante P, organizadores. Ensaios: subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2000. p. 267-277.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA SANARE

Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia

Nucleo de Estudos e Pesquisa em Saúde - NEPS

Av. Comandante Maurocelio Rocha Pontes, 150 - Bairro Derby - Sobral - CE

CEP. 62041-630 - Fone:(88) 3611.5861

email: conselhoeditorialsanare@yahoo.com.br