SER MENTOR DISCENTE EM MEDICINA: O PERCURSO E A TRANSFORMAÇÃO

FRANCISCO WILLAMY PEDROSA ALVES FILHO, DAVID ELISON DE LIMA E SILVA, GUILHERME BRUNO ARAÚJO, FERNANDES VIEIRA MAGALHÃES FERNANDES VIEIRA, ROBERTA CAVALCANTE MUNIZ LIRA

Resumo


SER MENTOR DISCENTE EM MEDICINA: O PERCURSO E A TRANSFORMAÇÃO

Este estudo trata-se de uma investigação sobre a percepção dos próprios mentores discente em relação as transformações e as aprendizagens obtidas no percurso da atividade de mentoring nos anos de 2015, 2016 e 2017 no Curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará, Campus Sobral. Numa pesquisa qualitativa foi utilizado o método de triangulação dos dados entre três técnicas: a entrevista semiestruturada aos mentores discentes, a observação não participante às reuniões dos grupos de mentoring e a análise documental aos relatórios feitos pelos mentores discentes após cada reunião. O mentor discente reconhece que com a experiência do mentoring conseguiu desenvolver melhor habilidades como: comunicação, empatia, liderança, organização do tempo e dos métodos de estudo. Percebe-se com esta pesquisa que o compartilhamento de experiências através do mentoring favorece o desenvolvimento pessoal e profissional do mentor discente, além de fortalecer os laços entre os acadêmicos, criando uma importante rede de apoio.

Descritores: Educação Médica, Mentoring, Mentor discente, Desenvolvimento.


Referências


Bellodi P L, Martins M A. Tutoria: mentoring na formação médica. São Paulo: Casa do psicólogo; 2005.

Kosoko-Lasaki O, Sonnino R E, Voytko M L, Salem W. Mentoring for women and underrepresented minority faculty and students: experience at two institutions of higher education. J nat med assoc. 2006; 98(9):1449-59.

Martins A F, Bellodi, P L. Mentoring: uma vivência de humanização e desenvolvimento no curso médico. Interface, Botucatu, v. 58, n. 20, p.715-726, dez. 2018.

Frazoi M, Martins G. Experiência de mentoring entre estudantes de graduação em enfermagem: reflexões e ressonâncias dialógicas. Interface (Botucatu). 2020; 24: e190772 https://doi.org/10.1590/interface.190772.

Buddeberg-fischer B, Herta D K. Formal mentoring programmes for medical students and doctors: a review of the medicine literature. Medteach. 2006; 28 (3):248-57.

Fernandes W L, Costa C S L. Possibilidades da tutoria de pares para estudantes com deficiência visual no ensino técnico e superior. Revista brasileira de educação especial, Marília, v. 21, n. 1, p. 39-56, jan.-mar., 2015.

Tempski, P F. Avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina e da influência exercida pela formação acadêmica [tese]. São Paulo (SP): faculdade de medicina, universidade de São Paulo; 2008.

Gonçalves M, Bellodi P L. Ser mentor em medicina: uma visão arquetípica das motivações e transformações na jornada. Interface (Botucatu. Impresso), v. 16, p. 501-514, 2012.

Rabatin J S, Lipkin M, Rubin A S, Schachter A, Mathan M, Kalet A. A year of mentoring in academic medicine: case report and qualitative analysis of fifteen hours of meetings between a junior and senior faculty member. J gen intern med. 2004; 19(2):569-73.

Brasil. Ministério da saúde, conselho nacional de saúde, comissão nacional de ética em pesquisa. Resolução n. 466 de 12 de dezembro de 2014: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: ministério da saúde, 2014.

Souza E et al. Metodologia da pesquisa [recurso eletrônico: aplicabilidade em trabalhos científicos na área da saúde. 2. Ed., rev. E ampl. – Natal, RN: Edufrn, 2019.

Tobar F, Yalour M R. Como fazer teses em saúde pública. Rio de Janeiro: ed. Fiocruz, 2001, 170p.

Gil A C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Azevedo, C E F.; Oliveira, L G L.; Gonzalez, R K.; Abdalla, M M A Estratégia de Triangulação: Objetivos, Possibilidades, Limitações e Proximidades com o Pragmatismo. IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e contabilidade. Brasília-DF. Nov 2013.

Lakatos, E. M; Marconi, M. de A. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas, 2010.

Pope, C; Mays, N. Pesquisa qualitativa na Atenção à Saúde. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 172p.

Minayo M C. Apresentação. In r. Gomes, pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Instituto Sírio Libanês, 2014.

Triviños A N. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Zanette M S. Pesquisa qualitativa no contexto da educação no Brasil. Educ. Rev., Curitiba, n. 65, pág. 149-166, setembro de 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70, 2011.

Brasil. Ministério da saúde, conselho nacional de saúde, comissão nacional de ética em pesquisa. Resolução n. 466 de 12 de dezembro de 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: ministério da saúde, 2012.

Pereira R T. Objetivos educacionais na pedagogia das humanidades médicas: taxonomias alternativas. Rev Bras Educ Med. 2008; 32: 500-506.

Alpes M, Wolf A. Tutoria acadêmica (“mentoring”): relato de experiência de um tutorado à tutor. Revista extensão em foco, no 16, jul. / set., 2018.

Aamc. Recommendations for clinical skills curricula for undergraduate medical education, 2008.

Ayres J R C M. Humanidades como disciplina da graduação em medicina. Revista brasileira de educação médica, 2013; 37(3): 455-463.

Gallian D M C, Ponde L F, Ruiz R. Humanização, humanismos e humanidades: problematizando conceitos e práticas no contexto da saúde no brasil. Revista internacional de humanidades médicas. Madrid. 2012;1(1):54-58.

Duarte R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Curitiba. Educar, editora UFPR. 2004. N. 24. P. 213-225.




DOI: https://doi.org/10.36925/sanare.v20i1.1455

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com