LEISHMANIOSE VISCERAL NA REGIÃO DE SOBRAL-CE: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS NOTIFICADOS ENTRE OS ANOS DE 2015 A 2018

Cynira Kezia Rodrigues Ponte Sampaio, Inara Pereira da Cunha, Jaqueline Vilela Bulgareli, Luciane Miranda Guerra, Brunna Verna Castro Gondinho, Karine Laura Cortellazzi

Resumo


O objetivo do estudo foi descrever o perfil epidemiológico dos casos de Leishmaniose Visceral (LV) na região de saúde de Sobral/Ceará (CE), entre 2015 a 2018. Trata-se de estudo descritivo com dados das fichas de notificação compulsória registradas no Sistema de Informações de Agravos de Notificação. Entre os anos estudados foram notificados 247 casos de LV. O coeficiente de incidência diminuiu de 11,91 por 100.000 habitantes no ano de 2015, para 7,05 no ano de 2018. Houve maior incidência de LV entre pacientes do sexo masculino (63,16%), pardos (88,26%), de 0 a 4 anos (43,72%), com menor nível de escolaridade (10,93%), residentes na zona rural (51,42%), na microrregião de Sobral (46,15%). Verificou-se que 54,66% dos casos evoluíram para cura e 4,05% para óbito. Conclui-se que ainda é alta a incidência de LV na região de saúde de Sobral/CE. Ações públicas para o enfrentamento da doença devem ser realizadas considerando o perfil identificado.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis, Leishmaniose visceral. [Internet]; 2017. [citado 2020 mar 12]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2019/janeiro/28/leishvisceral-17-novo-layout.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Barreto ML, Teixeira MG, Bastos FI, Ximenes RAA, Barata RB, Rodrigues LC. Sucessos e fracassos no controle de doenças infecciosas no Brasil: o contexto social e ambiental, políticas, intervenções e necessidades de pesquisa. Lancet. 2011; (3):47-60. doi: 10.1016/S0140-6736(11)60202-X

Organização Pan-Americana da Saúde. (OPAS). Informe Epidemiológico das Américas. [Internet]; 2019. [citado 2020 Mar 17]. Disponível em: https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=list&slug=datosestadisticos-6722&Itemid=270〈=pt

Brasil. Ministério da Saúde. Leishmaniose Visceral: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. [Internet]; 2017. [citado 2020 Mar 18]. Disponível: em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral

Ceará. Governo do Estado. Boletim epidemiológico: leishmaniose visceral 24 de outubro de 2018.

Oliveira LS, Neto RVD, Braga PET. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Sobral, Ceará no período de 2001 a 2010. Sanare 2018; 17(1):21-57.

Lainson R, Rangel EF. Lutzomyia longipalpis and the eco-epidemiology of American visceral leishmaniasis, with particular reference to Brazil - A Review. Memória do Instituto Oswaldo Cruz. 2005; 100(1):811-827.

Sousa NA, Linhares CB, Pires FGB, Teixeira TC, Lima JS, Nascimento MLO. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Sobral-CE de 2011 a 2015. Sanare. 2018;17(1):51-7.

Macedo ITF, Bevilaqua CML, Morais NB, Sousa LC, Linhares FE, Amóra SSA. Sazonalidade de flebotomíneos em área endêmica de leishmaniose visceral no município de Sobral, Ceará, Brasil. Ciência Animal, 2008;18(2): 67-74.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan. [Internet]; 2018. [citado 2019 dez 20]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/ deftohtm.exe?sinannet/cnv/leishvce.def

Ceará. Regionalização da Saúde. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. [Internet]; 2018. [citado 2020 Mar 18]. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/2018/07/03/coordenadorias-regionais.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). Perfil das Regiões de Planejamento. [Internet]; 2017. [cirtado 2020 Mar 21]. Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Ceará. Disponível em:https://www.ipece.ce.gov.br/regioes-de-planejamento/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico. [Internet]; 2010. [citado 2020 Mar 18]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil. php?codmun=231290

Silvino AS, Késsia SP, Lucas D, Raimundo B, Petrônio. Caracterização de flebotomíneos em bairros de Sobral, Ceará. Revista da Biologia. 2017; 12(17). doi: 10.7594/revbio.17.02.04.

Paim Jairnilson Silva. Epidemiologia e planejamento: a recomposição das práticas epidemiológicas na gestão do SUS. Ciênc. saúde coletiva. 2003; 8(2) : 557-567. doi: 10.1590/S1413-81232003000200017.

Barbosa MN, Guimarães EAZ, Luz ZMP. Avaliação de estratégia de organização de serviços de saúde para prevenção e controle da leishmaniose visceral. Epidemiol. Serv. Saúde. 2016; 25(3): 563-574. doi: 10.5123/s1679-49742016000300012

Cavalcante IJM, Vale MR. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Rev Bras Epidemiol. 2014; 17(4): 911-924.doi: 10.1590/1809-4503201400040010.

Gomes MRS, Solange CI. Assimetrias salariais de gênero e a abordagem regional no brasil: uma análise segundo a admissão no emprego e setores de atividade. Rev. econ. contemp. 2018; 22(3), e182234. doi: 10.1590/198055272234

Farias HMT, Gusmão JF, Aguilar RV, Barbosa SFA. Perfil epidemiológico da leishmaniose visceral humana nas regiões de saúde do norte de minas gerais. Enf. foco. 2019; 10 (2): 90-96.

Silva-Filho AG, Carmo DM, Marques AS, Afonso MPD, Oliveira SV. Situação epidemiológica das leishmanioses em Uberlândia, Minas Gerais. Revista de Saúde Coletiva da UFES. 2019; 9(1): 166-172. doi: 10.13102/rscdauefs.v9i0.4435.

Menezes JA, Luz TCB, Sousa FF, Verne RN, Lima FP Margonari C. Fatores de risco peridomiciliares e conhecimento sobre leishmaniose visceral da população de Formiga, Minas Gerais. Rev. bras. Epidemiol. 2016; 19(2): 362-374 doi: 10.1590/1980-5497201600020013.

Queiroz MJA, Alves JGB, Correia JB. Leishmaniose visceral: características clínico-epidemiológicas em crianças de área endêmica. J. Pediatr. 2004; 80(2): 141-146.doi: 10.1590/S0021-75572004000200012.

Rotti AT, Werneck GL, Almeida AS, Figueiredo FB. Fatores ambientais associados à ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(1): e00021117 doi: 10.1590/0102-311x00021117

Sousa-Paula LC, Silva LGD, Sales KGDS, Dantas-Torres F. Failure of the dog culling strategy in controlling human visceral leishmaniasis in Brazil: A screening coverage issue? PLoS Negl Trop Dis. 2019; 13(6):e0007553. doi: 10.1371/journal.pntd.0007553.

Sousa RLT, Nunes MI, Freire S.M. Perfil epidemiológico de pacientes com leishmaniose visceral notificados em hospital de referência em Teresina–PI. RIES. 2019; 8(1): 126-135.

Carvalho FL, Aires DLS, Segunda ZF, Azevedo ZMP, Corrêa RGCF, Aquino DMC, et al. Perfil epidemiológico dos indivíduos HIV positivo e coinfecção HIV-Leishmania em um serviço de referência em São Luís, MA, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2013; 18(5): 1305-1312. doi: 10.1590/S1413-81232013000500015.

Martins CP, Brandão MGSA, Braga MM, Sampaio LBF, Barros LM, Pacheco JCB. Monitoramento epidemiológico como instrumento de apoio à gestão de saúde: análise das notificações de leishmaniose visceral em Sobral, Ceará. Rev. Adm. Saúde. 2018; 18(72). doi: 10.23973/ras.72.117




DOI: https://doi.org/10.36925/sanare.v20i1.1500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com