A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

Andressa Lima Ramos, Danilo Pacheco da Silva, Gracyanne Maria Oliveira Machado, Eliany Nazaré Oliveira, Danyela dos Santos Lima

Resumo


Este estudo teve como objetivo verificar a atuação da enfermagem na Estratégia Saúde da Família-ESF do município de Parnaíba para prevenção do Câncer do Colo Úterino (CCU). Trata-se de uma pesquisa de campo, do tipo descritivo-exploratório, em que foram entrevistadas 20 enfermeiras da ESF do município de Parnaíba-PI, elegidas por meio dos critérios de inclusão: ser enfermeiro da ESF há mais de dois anos, realizar o exame Papanicolau na Unidade Básica de Saúde-UBS onde atua e aceitar participar da pesquisa. As estratégias citadas para estimular a adesão ao Papanicolau referem-se a informações referentes ao exame em consultas periódicas e a ações educativas através das palestras realizadas esporadicamente, rodas de conversa e orientações individuais. As enfermeiras ressaltaram dificuldades na adesão das mulheres ao exame Papanicolau relacionadas, principalmente, ao medo e ao pudor. Quanto à oferta do exame, em todas as unidades de saúde as coletas eram realizadas em um dia da semana, padronizado conforme o planejamento de cada enfermeira, sendo a demanda espontânea mais aderida em relação ao agendamento, e a busca ativa foi apontada como estratégia primordial para a captura da população-alvo. Ficou evidente a necessidade de complementação de ações e atividades realizadas com as mulheres, uma vez que as referidas ações acontecem,
mas de forma pouco sistemática e sem uma rotina apropriada, tornando-se imprescindível um maior comprometimento dos gestores de forma a garantir uma assistência de qualidade proporcionada por enfermeiros e equipe de saúde da família, dentro de uma infraestrutura adequada.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Globocan 2008.

International Agency for Research on Cancer [páginana

Internet].França: WHO;2010 [acesso em 5Ago 2013].

Disponível em: http://www.iarc.fr/en/media-centre/

iarcnews/2010/GLOBOCAN2008.pdf

Coelho S, PortoYF. Saúde da Mulher. 1ª ed. Belo

Horizonte: Coopmed; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Controle dos cânceres

do colo do útero e da mama. [Internet] 2ª ed. Brasília: MS;

[acesso em 5Ago 2013]. Disponível em: http://bvsms.

saude.gov.br/bvs/publicacoes/cont role_canceres_colo_

utero_2013.pdf

Beghini AB, Salimena AMO, Melo MCSC; Souza IEO.

Adesão das acadêmicas de enfermagem à prevenção do câncer

ginecológico: da teoria à prática [periódico da internet].

Texto ContextoEnferm. 2006;15(4):637-44. [acesso em10 Nov

. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/

v15n4a12.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da

Silva. O câncer e seus fatores de risco: o que a educação pode

evitar? [Internet] 2ª ed. Rio de Janeiro; 2013. [acesso em

Set 2013]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/inca/

Arquivos/pdf_final_Cancerfatoresrisco.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes brasileiras para o

rastreamento do câncer do colo do útero. Coordenação Geral

de Ações Estratégicas [Internet]. Divisão de Apoio à Rede

de Atenção Oncológica. Rio de Janeiro: Instituto Nacional

do Câncer: 2011b. [acesso em 20 Nov 2012]. Disponível em:

www.inca.gov.br/.../Diretrizes_rastreamento_cancer_colo_

utero.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Assistência

à Saúde, Instituto Nacional do Câncer. Viva Mulher: Programa

Nacional de Controle do câncer do colo do útero. Informações

técnico-gerenciais e ações desenvolvidas [Internet]. Rio

de Janeiro: 2002. [acesso em 13 Nov 2012]. Disponível

em:bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_mulher.pdf

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de

metodologiacientífica. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2003.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466

de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas

regulamentadoras de pesquisa com seres humanos. Diário

Oficial da União.Brasília, 13 jun. 2013. [acesso em 15

Set 2012]. Disponível em: http://conselho.saúde.gov.br/

resolucoes/2012/Reso466.pdf

Oliveira ISB, Panobianco MS, Pimentel AV, Nascimento

LC, Gozzo TO. Ações das equipes de saúde da família na

prevenção e controle docâncer de colo de útero. CienCuid

Saúde 2010;9(2):220-7.

Parada R, Assis M, Silva RCF, Abreu MF, Silva MAF, Dias

MBK, et al. A política nacional de atenção oncológica e o

papel da atenção básica na prevenção e controle do câncer.

Rev APS 2008;11(2):199-206.

Melo MCSC, Vilela F, Salimena AMO, Souza IEO. O

Enfermeiro na Prevenção do Câncer do Colo do Útero: o

Cotidiano da Atenção Primária. RevBrasCancerol. 2012;

(3):389-98.

Ramos AS, Palha PF, Júnior MLC, Sant’Anna SC, Lenza

NFB. Perfil de mulheres de 40 a 49 anos cadastradas em

um núcleo de saúde da família, quanto a realização do

exame preventivo de Papanicolau [periódico da internet].

RevLatAm Enfermagem 2006; 14(2):[aproximadamente 5 p.].

[acesso em 20 Out 2012]. Disponível em: http://www.scielo.

br/pdf/rlae/v14n2/v14n2a04.pdf

Albuquerque KM, Frias PG, Andrade CLT, Aquino EML,

Menezes G, Szwarcwald CL. Cobertura do teste de Papanicolau

e fatores associados a não realização: um olhar sobre

o Programa de Prevenção do Câncer do Colo do Útero em

Pernambuco, Brasil. CadSaude Publica 2009; 25(2):301-9.

Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM.

Acesso e Acolhimento na Atenção Básica: uma análise da

percepção dos usuários e profissionais de saúde. CadSaude

Publica 2008; 24(1):100-10, [acesso em 21 Mai 2013].

Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/csp/v24s1/15.pdf

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Diretrizes

brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero.

Rio de Janeiro: INCA; 2011.p.104.

Ribeiro MGM, Santos SMR, Teixeira MTB. Itinerário

terapêutico de mulheres com câncer do colo do útero:

uma abordagem focada na prevenção. RevBrasCancerol.

;57(4):483-91.

Cruz LMB, Loureiro RP. A comunicação na abordagem

preventiva do Câncer do Colo do Útero: importância das

influências histórico-culturais e da sexualidade feminina na

adesão às campanhas. SaudeSoc [periódico da internet],2008;

(2):120-31. [acesso em 21 Mai 2013]. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v17n2/12.pdf

Castro AJR, Shimazaki ME; Escola de Saúde Pública de

Minas Gerais. Protocolos clínicos para unidades básicas

de saúde [Internet]. Belo Horizonte; 2006. [acesso em 20

Mai 2013]. Disponível em: http://www.esp.mg.gov.br/wpcontent/

uploads/2009/04/protocolos-clinicos1.pdf

Santos ML, Moreno MS, Pereira VM. Exame de Papanicolaou:

qualidade do esfregaço realizado por alunos de enfermagem.

RevBrasCancerol. 2009; 55(1):19-25.

Brasil. Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Atenção

à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Controle dos

cânceres do colo do útero e da mama: normas e manuais

técnicos. Caderno de Atenção Básica n.13 [Internet].

Brasília: MS; 2006. [acesso em 13 Nov 2012]. Disponível

em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_

cancer_colo_utero_mama.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (MS), Instituto Nacional do

Câncer. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma

proposta de integração ensino-serviço [Internet]. 3ª ed. Rio

de Janeiro: MS; 2008. [acesso em19 Mar 2013]. Disponível

em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acoes_

enfermagem_controle_cancer.pdf

Horta TG, Fonseca TMM. Avaliação do programa de

controle do câncer de colo uterino em uma unidade de saúde

do interior de Minas Gerais. Coletânia 2008; 2:30-8.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia - EFSFVS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com