TENDÊNCIAS DE MORTALIDADE POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM TERESINA-PI

Gleison Vitor Ferreira de Castro da Silva, Luciana Tolstenko Nogueira, Izael Francisco de Brito Araujo, Daiane Ribeiro de Souza, Geovanna Arnaldo de Sousa, Allan Dellon da Silva

Resumo


Este estudo teve por objetivo analisar as tendências de mortalidade por doenças respiratórias e cardiovasculares e comparar o comportamento dessas tendências entre si no período entre 2009 a 2016, em Teresina, Piauí. Trata-se de um estudo descritivo, de análise quantitativa, realizado na capital do Piauí. A pesquisa teve como base fundamental os dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e do Núcleo de Informação em Serviços de Saúde (NUINSA).  O aumento proporcional das mortes por Doenças do Aparelho Circulatório (DAC) foi um pouco maior que o das mortes por Doenças Respiratórias (DR) (40,6% versus 38,6%), com destaque no grupo de Doenças do Aparelho Circulatório para as doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares e no grupo de Doenças Respiratórias para influenza e pneumonia.  O incremento nos óbitos por doenças do aparelho circulatório e doenças respiratórias entre 2009 e 2016, discretamente maior entre as primeiras, aponta para a necessidade de comprometimento local com o plano de ações nacional para enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis e também para a fragilidade nos processos de saúde que visam a prevenção e cuidado


Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Health statistics and information systems: disease burden and mortality estimates. [Internet]. Geneva: WHO; 2016 [cited 2020 May 11]. Available from: http://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/estimates/en/index1.html.

Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. bras. geriatr. gerontol. [Internet]. 2016 [cited 2020 May 11];19(3):507-519.Availablefrom: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180998232016000300507&lng=en

Brasil, Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Panorama da vigilância de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2018. Boletim Epidemiológico SVS 40. Vol 50, 2019. [home-page on the Internet]. [cited 2020 May 11]. Available from: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/janeiro/03/Boletim-epidemiologico-SVS-40.pdf

Alves CG, Morais Neto OL. Tendência da mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis nas unidades federadas brasileiras. Cien Saude Colet 2015; 20(3):641-654.

World Health Organization (WHO). World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Geneva, 2018. [home-page on the Internet]. [cited 2020 May11]. Available from: https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2018/en/

Lima JBD. CADE-Q SV: Prático e Relevante na Avaliação dos Pacientes com Doenças Cardiovasculares sobre a sua Condição de Saúde. Arq Bras Cardiol 2018; 111(6): 850-851.

Ribeiro AL, Duncan BB, Brant LC, Lotufo PA, Mill JG, Barreto SM. Cardiovascular health in Brazil: Trends and perspectives. Circulation 2016; 133(4):422-33.

Souza MDFMD, Malta DC, França EB, Barreto ML. Changes in health and disease in Brazil and its States in the 30 years since the Unified Healthcare System (SUS) was created. Cien Saude Colet 2018; 23:1737-1750.

Guimarães RM, Andrade SSCA, Machado EL, Bahia CA, Oliveira MM e Jacques FVL. Diferenças regionais na transição da mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980 a 2012. Rev Panam Salud Publica 2015;37(2):83–9.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. (SBC). Cardiômetro: mortes por doenças cardiovasculares no Brasil [Internet]. [citado 10 May 2020]. Disponível em: http://www.cardiometro.com.br/default.asp

Silva EBF, Silva AL, Santos AO, Dall’acqua DSV, Souza LFB. Infecções respiratórias de importância clínica: uma revisão sistemática. Revista FIMCA 2017; 4(1):7-16.

Bárbara C, Melo EG, Nogueira PJ, Farinha CS, Oliveira AL, Alves MI, et al. Portugal Doenças Respiratórias em Números, 2015. Direção Geral da Saúde. Lisboa, 2016; 5-82. [home-page on the Internet]. [cited 2020 May11]. Available from: http://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/15551/1/d190749.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. 10ª ed. 2014. [home-page on the Internet]. [cited 2020 Mar 30]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2013_analise_situacao_saude.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. [home-page on the Internet]. [cited 2020 May10]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde 2014; 23(4):599-608.

Malta DC., Oliveira TP, Santos, MAS, Andrade SSCDA, Silva MMAD. Progress with the strategic action plan for tackling chronic non-communicable diseases in Brazil, 2011-2015. Epidemiol Serv Saúde 2016; 25:373-390.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atlas Corações do Brasil. Volume 1. [home-page on the Internet]. [cited 2020 Mar 30]. Available from: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/arquivos/programas/Atlas_CoracoesBrasil.pdf

Omran AR. The epidemiologic transition:a theory of the epidemiology of population

change. Milbank Q [Internet]. 2005 [cited 2020 Mar 30];83(4):731–57. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2690264/

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal, 2002-2003. Inca, 2004 [home-page on the Internet]. [cited 2020 Abr 04]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inquerito_domiciliar_comportamentos_risco_doencas_transmissiveis.pdf

Malta DC, Silva Júnior JB. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol Serv Saude 2013;22(1):151–64.

Oliveira VS, Maia PCGGS, Santos J, Sousa MNA. Análise dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis: estudo com colaboradores de uma instituição privada. Saúde (Sta. Maria) 2017; 43(1).

Malta DC, Morais Neto OL, Silva Junior JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. Epidemiol Serv Saúde 2011; 20(4):425-438.

Bacurau AGDM, Francisco PMSB. Prevalência de vacinação contra gripe nas populações adulta e idosa com doença respiratória pulmonar crônica. Cad Saude Publica 2018; 34:e00194717.




DOI: https://doi.org/10.36925/sanare.v19i1.1409

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com