CARACTERIZAÇÃO DOS ATENDIMENTOS A CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA PERÍCIA FORENSE DO CEARÁ, NÚCLEO SOBRAL

Ana Karina Barbosa Vasconcelos, Marcos Antônio Alves da Silva

Resumo


A violência contra crianças e adolescentes caracteriza-se como o abuso de um sujeito em condições de superioridade. Os
objetivos deste artigo foram: traçar o perfil epidemiológico das crianças e adolescentes atendidos na Perícia Forense do Ceará
- PEFOCE e identificar os tipos de casos de maus tratos que sofrem. A pesquisa é do tipo quantitativa, documental, descritiva e retrospectiva. Foi realizada na PEFOCE, núcleo de Sobral. A coleta de dados apoiou-se nos registros cadavéricos e de lesão corporal, referentes aos anos de 2009 e 2010. Os resultados demonstraram que das 6.772 pessoas atendidas na PEFOCE no período indicado, 941 (14%) foram crianças e adolescentes nas idades entre 0 e 18 anos, dos quais 396 (8,50%) eram do sexo masculino e 545 (25%) do sexo feminino. Dos 1.744 óbitos, 142 (8,14%) foram de crianças e adolescentes e das 4.954 lesões corporais, 799 (16%) atingiam o mesmo público. Dos óbitos envolvendo crianças e adolescentes, 43,66% foram por acidentes de trânsito
e 20,42% foram homicídios. Os principais motivos das lesões corporais resultaram de agressões físicas, estupros e acidentes de trânsito. Enfim, essa pesquisa corrobora a presença real da violência a crianças e adolescentes em Sobral. Abre um leque de possibilidades de se repensar conceitos, de modo que as autoridades busquem melhorar o atendimento a esse público com uma delegacia especializada no atendimento a crianças e adolescentes.

Texto completo:

PDF

Referências


Héritier F. Masculin/Féminin. La pensée de la différence.

Paris: Odile Jacob; 1996.

Deslandes SF, Silva CMFP, Ugá MAD. O custo do atendimento

emergencial às vítimas de violências em dois hospitais do Rio

de Janeiro. Cad Saúde Pública 2000; 14(2): 287-99.

Organização Mundial da Saúde. The world health report:

Primary Health Care Now More Than Ever. Organização Mundial

da Saúde; 2008. p.67-82.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Diretrizes Gerais

da Ação Evangelizadora Da Igreja No Brasil. 1999. [citado em

fev. 2012]. Disponível em:

-diretrizes-gerais-da-acao-evangelizado>.

Assis SG. Crianças, violências e comportamento: um estudo

em grupos sociais distintos (Relatório Final de Pesquisa). Rio

de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ; 1992.

Deslandes SF. Maus-tratos na infância: um desafio para

o sistema público de saúde: análise da atuação CRAMICampinas

[dissertação]. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ;

Silva DW, Andrade SM, Soares DA, Soares DFPP, Mathias

TAF. Perfil do trabalho e acidentes de trânsito entre

motociclistas de entregas em dois municípios de médio

porte do Estado do Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública 2008;

(11): 2643-52.

Azevedo MA, Guerra VNA. Infância e Violência Doméstica:

fronteiras do conhecimento. 2a. ed. São Paulo: Cortez; 1997.

Pires ALD, Jamal EM, Brito AMM, Mendonça RCV. Maus tratos

contra crianças e adolescentes: avaliação das notificações

compulsórias no município São José do Rio Preto. Boletim

Epidemiológico Paulista [Internet]. 2005 [citado em 11 out.

; 2(24): 02-6. Disponível em:

sp.gov.br/agencia/bepa24_maus.htm>.

Souza ALTM, Florio A, Kawamoto EE. O neonato, a criança

e o adolescente. São Paulo: EPU; 2001.

Davoli A, Palhares FAB, Corrêa-Filho HR, Dias ALV,

Antunes AB, Serpa JF, et al. Prevalência de violência física

relatada contra crianças em uma população de ambulatório

pediátrico. Cad Saúde Pública [Internet]. 1994 [citado em

out. 2011]; 10(1): 92-8. Disponível em:

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X199

&lng=en&nrm=iso>.

Assis SG, Avanci JQ. Abuso psicológico e desenvolvimento

infantil. In: Brasil. Ministério da Saúde. Violência faz mal à

saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Kobayashi RM, Leite MMJ. Formação de competências

administrativa do técnico de enfermagem. Rev Lat Am

Enfermagem 2004; 12(2): 221-7.

Brasil. Impacto Da Violência na Saúde das Crianças e

Adolescentes In: Prevenção de Violências e Promoção da

Cultura de Paz. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. p.1-16.

Organização Mundial da Saúde. Acidentes de transporte.

Classificação Estatística Internacional de Doenças e

Problemas Relacionados à Saúde CID-10. 2008. [citado em

mar. 2012]. Disponível em:

cid10/v2008/cid10.htm>.

Thompson ED, Ashwill JW. Uma introdução à enfermagem

pediátrica. 6a. ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1996.

GIFFIN K. Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cad

Saúde Pública 1994; 10(supl.1): 146-55

Saffioti HIB, Almeida SS. Violência de Gênero: poder e

impotência. Rio de Janeiro: Revinter; 1995.

Stark E, Flitcraft AH. Spouse abuse. In: Rosenberg ML,

Fenley MA. Violence in America: A Public Health Approach.

New York: Oxford University Press; 1991. p.123-57.

Schraiber LB, D’Oliveira AFPL, Couto MT. Violência e

saúde: estudos científicos recentes. Rev Saúde Pública 2006;

(N Esp): 112-20.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com