A ENFERMAGEM NA MANUTENÇÃO DAS FUNÇÕES FISIOLÓGICAS DO POTENCIAL DOADOR

Sabrina Becker, Regina Célia Carvalho da Silva, Adriana Gomes Nogueira Ferreira, Nara Raquel Fonteneles Rios, Antonia Rejane Avila

Resumo


Este artigo objetivou conhecer a atuação dos acadêmicos de enfermagem na Organização de Procura de Órgãos (OPO) diante da manutenção do potencial doador em hospital de ensino do estado do Ceará. Estudo exploratório, descritivo, de abordagem qualitativa, que teve como sujeitos sete acadêmicos de enfermagem da OPO através da assinatura de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. A coleta de dados ocorreu no segundo semestre de 2010 e se deu por meio de entrevistas semiestruturadas.
Para a análise dos dados, foi utilizado o discurso do sujeito coletivo. Visando manter a qualidade dos órgãos para fins de
transplante foram encontradas ações de manutenção da pressão arterial e da pressão venosa central, realizadas através do manejo de líquidos e drogas; manejo da temperatura por meios físicos; cuidados com córneas através de higienização e proteção com gaze umedecida; necessidade de manter dieta enteral; manuseio ventilatório com gasometrias frequentes, aspiração do tubo orotraqueal e manejo da pressão intrabalonete; ações de prevenção de infecção; e monitorização eletrocardiográfica com manejo de parada cardiorrespiratória.A atuação dos acadêmicos mostrou-se eficiente, visto que a grande maioria das ações desenvolvidas foi de acordo com as recomendações encontradas na literatura, enriquecendo as discussões sobre o manejo clínico do corpo com morte encefálica. Porém, faz-se necessária a elaboração de novos estudos sobre manutenção multiprofissional dos potenciais
doadores com aprofundamento nas respostas fisiológicas destes diante da manutenção a fim de subsidiar a melhoria dessa prática ainda tão pouco explorada.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Lei n° 9434, de 4 de fevereiro de 1997. Estabelece

a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para

fins de transplante e tratamento e dá outras providências.

Diário Oficial da União.5fev 1997; Seção 1:2191-3.

Brasil. Resolução CFM n° 1480, de 8 de agosto de 1997.

Estabelece os critérios para diagnóstico de morte encefálica.

Diário Oficial da União 21 ago 1997; Seção 1:18.227-8.

Macedo JL. A subversão da morte: um estudo

antropológico sobre as concepções de morte encefálica entre

médicos [dissertação]. Rio Grande do Sul: Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em

Antropologia Social; 2008.

Moura KHM, Souza TF, Ribeiro GTF. Percepção dos

Acadêmicos de Enfermagem Sobre Doação de Órgãos e

Tecidos. RevEnferm UFPE 2011;5(5):1353-61.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Rotina

do Transplante no Estado da Bahia: Diagnóstico de Morte

Encefálica e Manutenção do Potencial Doador. Salvador:

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia; 2007. 40 p.

Guetti NR, Marques IR. Assistência de enfermagem

ao potencial doador de órgãos em morte encefálica.

RevBrasEnferm.2008;61(1):91-7.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São

Paulo: Atlas; 2002.

Leopardi MT. Metodologia da pesquisa na saúde.Santa

Maria: Pallotti; 2002.

Lefevre F, Lefevre AMC. O Discurso do Sujeito Coletivo:

Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (Desdobramentos).

Caxias do Sul: Educs; 2003.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 196,

de 10 de outubro de 1996. Dispõe sobre pesquisa envolvendo

seres humanos. Diário Oficial da União 16 out 1996.

p.21.082-5.

Knobel E. Condutas no paciente grave. 3. ed. São Paulo:

Atheneu; 2006. p.3124.

Rech TH, Rodrigues Filho EM. Manuseio do potencial

doador de órgãos. RevBras Ter Intensiva. 2007;19(2):204-97.

Marino PL. Compêndio de UTI. Tradução de Ana Rose

Bolner. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Lemes MMDD, Bastos MAR. Os cuidados na manutenção

dos potenciais doadores de órgãos: estudo etnográfico sobre

a vivência da equipe de enfermagem. RevLatAm Enfermagem

;15(5):986-91.

Aguiar ESV, Dallabrida AL, Bopp S, Rocha GLS, França EP,

Fonseca ET, et al. Mensuração da pressão venosa central por

meio de cateteres venosos central e periférico: comparação

entre os valores obtidos em cães e elaboração de índice de

correção. Cienc Rural 2004;34(6):1827-31.

Neto AR, Mendes CL, Rezende EAC. Monitorização em UTI.

Rio de Janeiro: Revinter; 2004.

D’Imperio F. Morte Encefálica, cuidados ao doador de

órgãos, e transplante de pulmão. RevBras Ter Intensiva.

;19(1):74-84.

Weilwe FG, Blumberg K, Libone CS, Roque EAC, Góis

AFT. Diabetes insípido em paciente com esclerose múltipla.

ArqBrasEndocrinolMetab. 2008; 52(1):134-7.

De Paula SEM, Ribeiro AF. Avaliação da aderência

à fisioterapia respiratória dos pacientes com fibrose

cística acompanhados no Hospital de Clínicas da

universidade Estadual de Campinas [dissertação]. Campinas

(SP):Universidade Estadual de Campinas, Departamento de

Pediatria da Faculdade de Ciências MédicaS; 2004.

Stanzani VLTS, Ribeiro R, Silva ES, Pinto WM.

Conhecimento teórico-prático da equipe assistente sobre

manejo e pressão do balonete endotraqueal. ConScientiae

Saúde 2009; 8(1):25-34.

Cabral FW, Silva MZO. Prevenção e controle de infecções

no ambiente hospitalar. Sanare 2013; 12(1):59-70.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia - EFSFVS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com