REDE CEGONHA: AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL

Fábio Solon Tajra, Ricardo José Soares Pontes, Francisco Herlânio Costa Carvalho, Angelo Brito Rodrigues, Neusa Goya, Luiz Odorico Monteiro de Andrade

Resumo


Este artigo avalia o potencial de oferta da Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantil (Rede Cegonha) relacionado aos serviços disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) por agrupamento territorial no Estado do Ceará. Trata-se de estudo misto cujo componente quantitativo foi desenhado a partir de dados secundários, considerando o potencial de oferta de serviços de saúde materno-infantil e de apoio às urgências do SUS em 2012 e 2015. Os dados foram processados no software SPSS, versão 22.0. Quanto ao componente qualitativo, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com gestores, profissionais da saúde e usuárias dos serviços, submetidas a análise sob a perspectiva hermenêutica. Os resultados evidenciaram redução do número de leitos no SUS, inconsistências na disponibilização de parto/nascimento de alto risco em regiões que não realizavam parto/nascimento sequer nos casos habituais e precariedade na rede de urgências e emergências. Assim, quanto ao potencial de oferta da Rede Cegonha, constataram-se agrupamentos territoriais limitados e tendência de manutenção de um fluxo desordenado.


Texto completo:

PDF

Referências


Morse ML, Fonseca SC, Barbosa MD, Calil MB, Eyer FPC. Mortalidade materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos? Cad Saúde Pública [serial on the internet]. 2011 [cited 2019 Apr 25];27(4):623-38. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n4/02.pdf

Teixeira JC, Pungirum MEMC. Análise da associação entre saneamento e saúde nos países da América Latina e do Caribe, empregando dados secundários do banco de dados da Organização Pan-Americana de Saúde – OPAS. Rev Bras Epidemiol [serial on the internet]. 2005 Dec [cited 2019 Apr 25];8(4):365-76. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v8n4/03.pdf

Brasil. Portaria n. 1.459/GM/MS, de 24 de junho de 2011, que institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Rede Cegonha. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

Brasil. Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

Cavalcanti PCS, Gurgel Junior GD, Vaconcelos ALR, Guerrero AVP. Um modelo lógico da Rede Cegonha. Physis (Rio J) [serial on the internet]. 2013 [cited 2019 Apr 25];23(4):1297-316. Available from: http://www.scielo.br/pdf/physis/v23n4/14.pdf

Tajra FS, Pontes RJS, Carvalho FHC. Um possível modelo lógico-avaliativo para a Rede Cegonha. Sanare (Sobral, Online) [serial on the internet]. 2017 [cited 2019 Apr 25];16(1):80-9. Available from: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1098/609

Coutinho SKSF, Minghini BV, Brito GV, Silva KS, Rocha RB, Miranda JSM, et al. Rede Cegonha: uma experiência em educação permanente com agentes comunitários de saúde. Sanare (Sobral, Online) [serial on the internet]. 2017 [cited 2019 Apr 25];16(1):74-9. Available from: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1097/608

Creswell JW. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2007.

Tong A, Sainsbury P, Craig, J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care [serial on the internet]. 2007 [cited 2019 Dec 16];19(6):349-57. Available from: https://chip.uconn.edu/wp-content/uploads/sites/1245/2019/05/Tong-Sainsbury-Craig-2007-Consolidated-Criteria-for-Reporting-Qualitative-Research-COREQ-A-32-Item-Checklist-for-Interviews-and-Focus-Groups.pdf

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman; 2005.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública [serial on the internet]. 2011 [cited 2019 Apr 25];27(2):388-94. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Amatuzzi MM. Por uma psicologia humana. Campinas, SP: Alíena; 2001.

Brasil. Sala de Apoio à Gestão Estratégica (SAGE). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Brasil. Portaria n. 2.657, de 16 de dezembro de 2004. Estabelece as atribuições das Centrais de Regulação Médica de Urgências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004.

Organização das Nações Unidas, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Brasília (DF): ONU/PNUD; 2000.

Brasil. Portaria n. 1.863, de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2003.

Brasil. Portaria n. 1.864, de 29 de setembro de 2003. Institui o componente pré-hospitalar móvel da PNAU – o SAMU. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2003.

O’Dwyer G. A gestão da atenção às urgências e o protagonismo federal. Ciênc Saúde Colet [serial on the internet]. 2010 [cited 2019 Apr 25];15(5):2395-404. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n5/v15n5a14.pdf

Machado CV, Salvador FGF, O’Dwyer G. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Rev Saúde Pública [serial on the internet]. 2011 [cited 2019 Apr 25];45(3):519-28. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v45n3/2335.pdf




DOI: https://doi.org/10.36925/sanare.v18i2.1375

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com