LEISHMANIOSE VISCERAL NA REGIÃO DE SOBRAL-CE: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS NOTIFICADOS ENTRE OS ANOS DE 2015 A 2018

Cynira Kezia Rodrigues Ponte Sampaio, Inara Pereira da Cunha, Jaqueline Vilela Bulgareli, Luciane Miranda Guerra, Brunna Verna Castro Gondinho, Karine Laura Cortellazzi

Resumo


O objetivo do estudo foi descrever o perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral (LV) na região de saúde de Sobral, Ceará, entre 2015 e 2018. Tratou-se de estudo descritivo com dados das fichas de notificação compulsória registradas no Sistema de Informações de Agravos de Notificação. Entre os anos estudados foram notificados 247 casos de LV. O coeficiente de incidência diminuiu de 11,91 por 100.000 habitantes, no ano de 2015, para 7,05, no ano de 2018. Houve maior incidência de LV entre pacientes do sexo masculino (63,16%), pardos (88,26%), de 0 a 4 anos (43,72%), com menor nível de escolaridade (10,93%), residentes na zona rural (51,42%), na microrregião de Sobral (46,15%). Verificou-se que 54,66% dos casos evoluíram para cura e 4,05% para óbito. Conclui-se que ainda é alta a incidência de LV na região de saúde de Sobral, de modo que ações públicas para o enfrentamento da doença devem ser realizadas considerando o perfil identificado.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis, Leishmaniose visceral [document on the internet]. 2017 [cited 2020 Mar 12]. Available from: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/

pdf/2019/janeiro/28/leishvisceral-17-novo-layout.pdf

Brasil. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Barreto ML, Teixeira MG, Bastos FI, Ximenes RAA, Barata RB, Rodrigues LC. Sucessos e fracassos no controle de doenças infecciosas no Brasil: o contexto social e ambiental, políticas, intervenções e necessidades de pesquisa. Lancet. 2011;(3):47-60. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60202-X

Organização Pan-Americana da Saúde. Informe Epidemiológico das Américas [home-page on the internet]. 2019 [cited 2019 Mar 17]. Available from: https://iris.paho.org/handle/10665.2/51738

Brasil. Leishmaniose Visceral: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção [home-page on the internet]. Ministério da Saúde; 2017 [cited 2020 Mar 18]. Available from: https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral

Ceará. Boletim epidemiológico: leishmaniose visceral 24 de outubro de 2018 [document on the internet]. Fortaleza: Governo do Estado; 2018 [cited 2020 Mar 18]. Available from: https://www.saude.ce.gov.br/wpcontent/uploads/sites/9/2018/06/boletim_leishimaniose_24_10_2018.pdf

Oliveira LS, Neto RVD, Braga PET. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Sobral, Ceará no período de 2001 a 2010. Sanare (Sobral, Online) [serial on the internet]. 2018 [cited 2020 Mar 18];17(1):21-57. Available from: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/

view/323

Lainson R, Rangel EF. Lutzomyia longipalpis and the eco-epidemiology of American visceral leishmaniasis, with particular reference to Brazil - A Review. Memória do Instituto Oswaldo Cruz. 2005;100(1):811-27.

Sousa NA, Linhares CB, Pires FGB, Teixeira TC, Lima JS, Nascimento MLO. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Sobral-CE de 2011 a 2015. Sanare (Sobral, Online) [serial on the internet]. 2018 [cited 2020 Mar 18];17(1):51-7. Available from: https://sanare.emnuvens

.com.br/sanare/article/view/1222

Macedo ITF, Bevilaqua CML, Morais NB, Sousa LC, Linhares FE, Amóra SSA, et al. Sazonalidade de flebotomíneos em área endêmica de leishmaniose visceral no município de Sobral, Ceará, Brasil. Ciênc anim. 2008;18(2):67-74.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan [home-page on the internet]. 2018 [cited 2019 Dec 20]. Available from: https://portalsinan.saude.gov.br/

Ceará. Regionalização da Saúde [home-page on the internet]; 2018 [cited 2020 Mar 18]. Available from: https://www.saude.ce.gov.br/2008/09/09/unidades-regionais-de-saude/

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil das Regiões de Planejamento [home-page on the internet]. 2017 [cited 2020 Mar 21]. Available from: https://www.ipece.ce.gov.br/regioes-de-planejamento/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico [home-page on the internet]. 2010 [citado 2020 Mar 18]. Available from: https://cidades.ibge.gov.br/?codmun=231290

Silvino AS, Silva KB, Sousa-Paula LC, Dias RD, Braga PET. Caracterização de flebotomíneos em bairros de Sobral, Ceará. Revista da Biologia. 2017;12(17). doi: https://doi.org/10.759

/revbio.17.02.04

Paim JS. Epidemiologia e planejamento: a recomposição das práticas epidemiológicas na gestão do SUS. Ciênc Saúde Colet. 2003;8(2):557-67. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000200017

Barbosa MN, Guimarães EAZ, Luz ZMP. Avaliação de estratégia de organização de serviços de saúde para prevenção e controle da leishmaniose visceral. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(3):563-74. doi: https://doi.org/10.5123/s1679-49742016000300012

Cavalcante IJM, Vale MR. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):911-24. doi: https://doi.org/10.1590/1809-4503201400040010

Gomes MRS, Solange CI. Assimetrias salariais de gênero e a abordagem regional no brasil: uma análise segundo a admissão no emprego e setores de atividade. Rev econ contemp. 2018;22(3): e182234. doi: https://doi.org/10.1590/198055272234

Farias HMT, Gusmão JF, Aguilar RV, Barbosa SFA. Perfil epidemiológico da leishmaniose visceral humana nas regiões de saúde do norte de minas gerais. Enf foco. 2019;10(2):90-96. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n2.1887

Silva-Filho AG, Carmo DM, Marques AS, Afonso MPD, Oliveira SV. Situação epidemiológica das leishmanioses em Uberlândia, Minas Gerais. Rev Saúde Coletiva da UFES. 2019;9(1):166-72. doi: https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4435

Menezes JA, Luz TCB, Sousa FF, Verne RN, Lima FP Margonari C. Fatores de risco peridomiciliares e conhecimento sobre leishmaniose visceral da população de Formiga, Minas Gerais. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(2):362-74. doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201600020013

Queiroz MJA, Alves JGB, Correia JB. Leishmaniose visceral: características clínico-epidemiológicas em crianças de área endêmica. J Pediatr. 2004;80(2):141-46. doi: https://doi.org/10.1590/S0021-75572004000200012

Rotti AT, Werneck GL, Almeida AS, Figueiredo FB. Fatores ambientais associados à ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2018;34(1):e00021117. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311x00021117

Sousa-Paula LC, Silva LGD, Sales KGDS, Dantas-Torres F. Failure of the dog culling strategy in controlling human visceral leishmaniasis in Brazil: A screening coverage issue? PLoS Negl Trop Dis. 2019;13(6):e0007553. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0007553

Sousa RLT, Nunes MI, Freire S.M. Perfil epidemiológico de pacientes com leishmaniose visceral notificados em hospital de referência em Teresina–PI. RIES. 2019;8(1):126-35.

Carvalho FL, Aires DLS, Segunda ZF, Azevedo ZMP, Corrêa RGCF, Aquino DMC, et al. Perfil epidemiológico dos indivíduos HIV positivo e coinfecção HIV-Leishmania em um serviço de referência em São Luís, MA, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(5):1305-12. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000500015

Martins CP, Brandão MGSA, Braga MM, Sampaio LBF, Barros LM, Pacheco JCB. Monitoramento epidemiológico como instrumento de apoio à gestão de saúde: análise das notificações de leishmaniose visceral em Sobral, Ceará. Rev Adm Saúde. 2018;18(72). doi: https://doi.org/10.23973/ras.72.117




DOI: https://doi.org/10.36925/sanare.v20i1.1545

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


S A N A R E  - Revista de Políticas Públicas

Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia - ESP-VS

Av. John Sanford, nº 1320 - Bairro Junco - Sobral/CE

CEP: 62030-362  - Fone:(88) 3614.5520

Email: revista_sanare@hotmail.com